• Robson Martins

Custos Variáveis e Despesas Fixas: conheça as diferenças entre eles

É primordial que um gestor conheça a diferença entre os custos variáveis e as despesas fixas da sua empresa.


Somente assim, ele será capaz de promover uma gestão financeira eficiente, a qual não somente livrará o negócio das dívidas, como também permitirá que ele continue crescendo no mercado.


Caso você ainda não conheça a diferença entre esses dois tipos de gastos, ou até mesmo não saiba como classificá-los, continue comigo nesse artigo.

Boa leitura!


EDZO Consultoria Financeira - Conheça as diferenças entre Custos Variáveis e Despesas Fixas

Custos variáveis x Despesas fixas: qual o conceito de cada um?


Antes de entender a diferença entre esses dois termos, é essencial aprender o conceito de cada um deles.

De maneira geral, os custos variáveis de uma empresa estão diretamente ligados à produção ou venda, ou seja, são os todos aqueles valores gastos que variam mensalmente.

Afinal, podem haver períodos com maior demanda do que outros.


Enquanto que, as despesas fixas são os gastos que independem da produção ou vendas, portanto, não variam mensalmente ou possuem uma variação mais baixa do que os custos.


Dessa forma, são todos os gastos que estão sempre referenciados no orçamento da empresa.


Exemplos de custos variáveis na pequena e média empresa


Ainda está em dúvida de como identificar os custos variáveis na sua pequena ou média empresa? Então, confira abaixo os gastos mais comuns, que você pode possuir em seu negócio:


● Comissão de vendas;

● Embalagens;

● Impostos de nota fiscal;

● Taxas de cartão de crédito;

● Horas extras;

● Matéria prima;

● Gastos com logística e entrega;

● Energia elétrica;

● Manutenção.


Exemplos de despesas fixas na pequena e média empresa


Agora, veja abaixo as despesas fixas mais comuns na pequena e média empresa, de forma a identificar quais estão presentes em seu planejamento financeiro mensal:


● Despesas com estrutura;

● Pessoal administrativo;

● Luz, água, internet e telefone;

● Aluguel;

● Material de limpeza e de escritório;

● Impostos de folha de pagamento;

● Pró-labore.


Diferença entre custo e despesa


Como você pôde perceber, a principal diferença entre o custo variável e as despesas fixas de uma empresa estão relacionadas a produção e venda de produtos.


Afinal, quanto maior for a variação desses percentuais — seja para menos ou para mais — maior será também a diferença entre os custos variáveis de um mês para o outro.


Contudo, essa mudança não irá interferir nas despesas, visto que elas se configuram como os gastos fixos do negócio.


Até porque, o proprietário do imóvel ou seus funcionários não irão aceitar receber menos em um determinado mês simplesmente porque seu faturamento foi baixo, salvo se o trabalho for por comissão.


Ademais, é primordial que você fique atento às despesas da sua empresa, visto que um cálculo errado ou um investimento indevido pode ocasionar em boletos atrasados.


É importante saber diferenciar esses termos?


Saber distinguir esses dois tipos de gastos é primordial devido a três fatores.


O primeiro é em relação a saber os custos exatos utilizados para confeccionar um produto, para precificá-lo de forma certa, ou seja, determinar um valor justo tanto para você como para o cliente.


O segundo fator também está relacionado com os custos de confecção de um produto, contudo, esses dados te ajudarão a definir se vale a pena ou colocá-lo à venda.


Por exemplo, imagine que você é dono de uma empresa de materiais de escritório e decide lançar uma linha de canetas personalizadas.


Mas… por saber a importância de calcular os custos de confecção, resolve levantar todos esses dados de forma a definir um preço justo e estudar as vantagens de colocar o produto a venda.


No fim desse estudo, percebe-se que a margem de lucro estimada seria de apenas 5%, sendo mais vantajoso investir o dinheiro em melhorias nos produtos de sucesso.


Contudo, sem esse levantamento, você só descobriria essa baixa lucratividade no futuro, após a confecção de uma alta demanda do produto.


Por fim, o último fator está ligado à gestão financeira do seu negócio, afinal, ao ter o levantamento correto dos custos e despesas é possível identificar e sanar vícios que prejudicam a saúde monetária da empresa.


Além do mais, com essas informações você será capaz de:


● Traçar estratégias financeiras mais eficientes;

● Definir os investimentos mais seguros;

● Controlar os custos e até mesmo reduzi-los;

● Cortar despesas desnecessários;

● Substituir esses gastos por outros menores.


Como classificar os gastos como custos ou despesas

MEDZO Consultoria Financeira - Quais são os conceitos de Custos variáveis e Despesas fixas

Se você nunca separou os custos variáveis das despesas fixas em sua empresa, pode ficar tranquilo, pois realizar essa tarefa não é tão complicado, mas irá demandar tempo!


O primeiro passo é organizar em uma planilha todos os custos que a empresa teve em um determinado período, por exemplo, de 6 meses.


Inclusive, o ideal é que você crie uma página para cada mês, contanto que todas essas informações fiquem em um único documento.


Se preferir, você também pode imprimir essas planilhas, de forma a facilitar a sua visualização.


O segundo passo é analisar todos esses custos, identificando aqueles que costumam possuir uma alta taxa de variação.


Ah! Por mais que variem a cada mês, as contas de água e luz não entram na lista de custos variáveis, pois são gastos que sempre serão cobrados à sua empresa.


Existe fórmula para calcular os custos variáveis de uma empresa?


Existe uma maneira simples de calcular os custos variáveis de um determinado produto.


Para isso, você deve mensurar o valor gasto na confecção de uma unidade do produto, em seguida, multiplique esse valor pela quantidade de unidades produzidas.


Pronto! Você possui o valor dos custos variáveis daquele produto.


Inclusive, seguindo esse raciocínio, é também possível calcular o valor dos custos totais da empresa em determinado mês, simplesmente adicionando as despesas fixas à equação.


Para simplificar, vamos voltar ao exemplo da empresa de materiais de escritório, a qual possuirá um valor referente as despesas fixas de R$ 6.000,00.


Agora, imagine que o valor gasto para confeccionar agendas é de R$ 1,20, sendo que no mês x foram produzidas 2.400 agendas. Então, os custos totais deste mês foram:


Custo total = Despesa fixa + Custo variável x unidades

Custo total = 6.000 + 1,20 x 2.400

Custo total = R$ 8.880,00


Ah! Dessa expressão também é possível retirar o custo necessário para a produção de uma determinada demanda, dado que pode te ajudar a estipular orçamentos:


Custo produção = Custo variável x unidades

Custo produção = 1,20 x 2.400

Custo produção = R$ 2.880,00


Conclusão


Saber identificar e gerir os custos variáveis e as despesas fixas do seu negócio pode te ajudar a continuar crescendo e se destacando no mercado.


Por isso, siga os conhecimentos e dicas aprendidos acima e otimize a gestão financeira da sua empresa!


Entretanto, caso você esteja com dificuldades em gerenciar as finanças do negócio, pode contar com a gente!


Na Medzo você encontra serviços de consultoria financeira eficientes e especializados na pequena e média empresa.


Dessa forma, conhecemos as estratégias possíveis de aplicação nas empresas de menor porte e que, de fato, trarão os resultados desejados.


Por isso, entre em contato com a Medzo Consultoria Financeira e conheça o serviço!


Gostou desse artigo? Veja também:

Relatórios gerenciais: quais a pequena e média empresa precisam acompanhar?

Indicadores de desempenho financeiro para pequena e média empresa (KPIs)

Conciliação bancária na pequena e média empresa: importância e a forma correta de fazer





























14 visualizações0 comentário